Mudança

Photo by Hugo Sousa 
Como ele gostava de ver o gado branco pastando no morro! Em seu coração crescia a esperança de dias melhores para sua família, que não parava de crescer. Sua esposa já estava agora na quinta gestação, e muito bem disposta, apesar de ter cada vez mais avantajada a barriga.

Ela manteve as idas ao grupo escolar mesmo grávida, e seu mais velho já não a acompanhava mais. Já tinha se formado na quarta-série primária, grau máximo que se podia atingir naquela escola de roça.

Apesar de sentir-se feliz agora com a vida no rancho, o pai não titubeou.

"Precisamos mudar para a cidade, quero que nosso filho tenha a educação que eu não pude ter".

Foi uma mudança e tanto para todos eles. A casa que alugaram ficava numa rua bastante íngreme, quase encrostada num morro, e possuía uma escadaria enorme na frente. O pai precisou contratar um capataz para cuidar do gado e começou a trabalhar numa loja de produtos veterinários, a convite de um primo. A mãe continuou dando as aulas na escolinha até as vésperas do nascimento da sua segunda menina. A avozinha que passou a morar com a família cuidava dos dois menores em casa, enquanto o mais velho ia para a quinta série e a mãe lecionava.

Dizem que criança se adapta facilmente, mas os dois garotos sentiram muita falta do grande quintal e das brincadeiras pela tarde afora. O jeito que encontraram foi fazer logo amizade com os moleques da rua, e com eles aprenderam a bater bola e andar de carrinho de rolemã (que era uma verdadeira aventura naquela descida).

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas